Rio em lente


E o Rio de Janeiro continua…

 

Quente. Lindo. Cheio de taxis amarelos e um cheiro estranho que nunca vai embora. Também continua cheio de gente que reclama do trânsito sem ter a marginal Tetê como referência. Cheio de gente alegre e restaurantes bons espalhados pela cidade. Cheio de barcos parados, boiando, esperando o dia passar lento, enquanto um avião se exibe  entre eles e uma pedra enorme que deve ter saído da terra durante algum terremoto, num dia distante de hoje. O Rio de Janeiro continua no verão enquanto São Paulo não. Parece outro hemisfério. Parece outra língua. Hoje o Cristo parece escocês, está de saia. Talves seja uma canga. Talvez hoje ele desça para dar um mergulho. Ia ser divertido ver o Cristo descendo. Um lance meio King Kong. Eu tiraria uma foto. Que nem essa que tirei hoje de manhã, com o novo efeitinho mágico do meu iphone. Cada coisa que inventam – a gente chega na era digital para voltar para trás e fingir que tira foto com negativo e acha incrível. Eu acho incrível. E o Cristo está sendo reformado para os gringos acharem ele lindo. E eu vou dar um rolê porque tá sol lá fora! Beijuis génte!



Drácula

Nosferatu

Edward

Matoso

Lestat

Eric

David

John


Algumas frases do Osho

“Nas mãos do coração o intelecto fica inteligente. Ocorre uma transformação. A pessoa não fica intelectual, ela simplesmente fica sábia.”

“Você não pode ser sincero se não for corajoso. Não pode ser amoroso se não for corajoso. Não pode ser confiante se não for corajoso, portanto, a coragem vem em primeiro lugar e tudo o mais a sucede”

“Se você realmente ama uma pessoa, dá a ela espaço infinito. Seu próprio ser é só um espaço para ela crescer e com o qual crescer. A mente interfere e tenta possuir a pessoa, então o amor é destruído.”

“Quanto mais viva a pessoa estiver, mais problemas ela terá. Mas não há nada de errado nisso, porque lutar com os problemas, enfrentar desafios é a forma pela qual crescemos”.

“Milhões de pessoas se apegam ao sofrimento por uma razão muito simples: travaram uma espécie de amizade com ele. Viveram tanto tempo com ele que, se o deixarem, será como um divórcio”.

“As pessoas medrosas provocam medo nos outros para que possam descansar `a vontade. Elas sabem muito bem que assim você não vai tocá-las, não vai ultrapassar os limites delas”.

Estão no livro Coragem – O Prazer de Viver Perigosamente.


Lua Cheia e Sincronias

Apesar de a lua estar nova, hoje foi quarta-feira, por isso resolvi postar esse texto que eu gosto e que faz tempo que escrevi.

Originalmente postado em 14/05/2009 – 13:28

De noite

Um jazz e um gato. Isso é jazz? Acho difícil saber. Não tenho certeza, mas ao mesmo tempo, sei que isso é um gato. Pelo menos sei distinguir os animais. Isso é um gato charmoso e carente e isso é um chá cítrico. Ainda bem que não tem gripe felina, nem gripe tangerina. Hoje é quarta-feira e muitas pessoas comeram feijoada. A gripe fica na carne do porco cozido? Isso pode não ser a pergunta mais elaborada que sou capaz de fazer no fim deste dia normal de lua cheia. A lua reflete a luz do sol que está lá do outro lado do planeta, assim como uma parte de mim reflete a luz da minha própria consciência que brilha escondida em algum lugar, ao longe. É lá que tento chegar, começando com uma pergunta prozaica sobre porco ou com um raciocínio simples do tipo “isso é jazz ou não?” “isso é gato ou não?”. É preciso cavar. Gosto de não me contentar com o primeiro pensamento. Ele é só a superfície. Se a vida fosse fácil, não tinha que cavar para achar ouro, petróleo e múmias.

De Tarde

Coincidência? Sincronicidade? Esse termo eu tento entender, mas acho bastante complicado. O Jung realmente não sabia escrever para as massas, hein. Acho que na verdade ele não queria escrever para a torcida do Palmeiras, nem para os administradores de empresa interessados na natureza humana ou muito menos para a galera que mora na Lapa. São conceitos super possíveis de serem compreendidos `a partir da própria experiência, mas ele escreve tão difícil que parece que só as pessoas pós-graduadas em Harvard passam por isso. E não é verdade. As pessoas comuns também são capazes de compreender do que se trata a sincronicidade.

Então hoje pela tarde eu tive aula de interpretação, mas no caminho passei pela Av. Doutor Arnaldo e pensei que o apocalipse estava acontecendo. Pensei que se fosse tão lindo quanto aquilo, morreríamos todos fascinados pelos faiscantes e letais brilhos prateados que caiam do céu aos montes. Mas não era o fim do mundo, eram apenas papéis-espelho picados de uma confraternização na Igreja, o que no fundo me deixou aliviada.

Na aula falamos muito sobre cores e chakras e sobre permanecer consigo mesmo, conectado internamente. Parecia piada porque era exatamente o assunto do rádio hoje pela manhã.

De Manhã

Não tenho o hábito de ligar o rádio. Muito menos de sintonizar qualquer estação diferente das três gravadas no meu dial. Mas nesta manhã me arrisquei nas ondas da FM. Me senti perdida no Hawaii, só que sem gastar dinheiro. Tomei alguns caldos até conseguir dropar uma voz feminina desconhecida que se manteve no ar por mais de quarenta minutos falando sobre cores e charkas. Pouco ouvi sobre este assunto em mídias de massa, quanto mais no rádio. Alguém que tentava democratizar o conhecimento da ligação entre o físico, o emocional e o espiritual invadiu a minha manhã e me deixou feliz. Ela ensinava a meditar e dizia que cada um faz do seu jeito. O sinal fechado e eu ouvindo. Pessoas ligavam para tirar dúvidas. Ela falava sobre Yoga enquanto alguém buzinava atrás de mim. Não posso esquecer de comprar ovos – pensei enquanto agradecia por tudo e ouvia meu celular tocar. Hoje começou cedo. Que assim seja. Tenho um longo dia pela frente.


O que eu queria estar fazendo agora?


É pedir muito?